logo-mini

Como marcas seguem se reinventando para reverter situações críticas?

Compartilhe

Antes de mais nada, é preciso entender que novos padrões da sociedade foram identificados e que preconceitos de qualquer instância ou tipo já não serão mais tolerados.

O mundo evoluiu e as marcas devem seguir esse novo modo de se posicionar perante ele.

Que atitudes e processos as empresas podem adotar para que casos como o da Krespinha (Bombril), não aconteçam?

A marca Bombril reformulou a embalagem de um produto que já existia há 40 anos no mercado, porém ele faz uma associação desagradável com o cabelo dos negros e a empresa foi acusada de racismo, com a repercussão chegando ao trending topics do Twitter.

Diante da repercussão negativa, a Bombril informou através de suas redes sociais, que retirou o produto de seu portfólio: “A Bombril decidiu que vai retirar, a partir de hoje, a marca Krespinha do seu portfólio de produtos”.

“As marcas precisam se cuidar e se preparar para uma nova realidade”

Nos Estados Unidos, após o grande caso de racismo e homicídio de George Floyd, que repercutiu no mundo todo, duas grandes marcas se anteciparam e decidiram rever seus produtos, como foi o caso da Mars, que informou que está considerando mudar o nome de sua marca Uncle Ben’s.

A empresa de arroz deve descartar a imagem de um fazendeiro negro que a marca usa desde os anos 40 e pode mudar seu nome, já que as empresas reagem às crescentes preocupações com o viés racial e de injustiça.

A marca Quaker Foods, divisão da Pepsico, informou que vai remover a imagem de uma mulher negra de embalagens de panquecas (Aunt Jemina).

O ponto-chave que as equipes de Comunicação e Marketing devem levar em consideração, é entender que os padrões, gostos, atitudes e valores mudaram muito ao longo dos anos.

A partir daí, cabe uma imensa análise crítica dos produtos para reformular tudo o que fere a ética e moral dos consumidores.

Mas qual será a melhor solução?

Se antecipar a uma crise e estabelecer um plano de gestão consistente e preciso.
Caso já tenha chegado na boca dos críticos, um trabalho de comunicação ágil e direcionado, assumindo o “erro” e trazendo soluções para o caso em questão será o melhor caminho.

O fato é que o grande trunfo para muitas empresas é manter-se atualizadas para evitar que casos desastrosos aconteçam!

Quer ouvir o que nossa equipe tem a dizer sobre esse assunto?
Ouça agora mesmo o episódio de número 20 do No Meio do Job: https://open.spotify.com/episode/1TTdb0ROxUc5mJGuJywez