logo-mini

O fenômeno das Lives na pandemia

Compartilhe

Os negócios estão sendo forçados a se reinventar nessa quarentena!

Quem poderia imaginar que o planeta passaria por um momento (ou eternidade – rs) de isolamento social por conta de um vírus? (Acho que o Bill Gates já tinha previsto. ?)

Com a recomendação da paralização de diversas atividades e da suspensão de eventos, empresas de diversos segmentos foram obrigadas a explorar a transmissão ao vivo.

Live, Live, Live e mais Live.

Academias oferecendo treinos, especialistas da saúde realizando atendimento, professores dando aulas, lojas de roupas fazendo desfiles, o papa rezando missa, bate-papo de variados assuntos, tudo sendo transmitidos ao vivo, pelas redes sociais.

No entanto, essa onda tomou grandes proporções no universo da música, conduzidos, principalmente, pelo Youtube.

O mundo do entretenimento não parou!

Se a recomendação é todos ficarem em casa, fiquemos em casa, mas não parados!

Esse movimento ganhou força com o sertanejo nos finais de semana. Aos poucos, as lives estão ganhando adeptos de outros estilos musicais, com variadas apresentações ao longo da semana.

E hoje, já tem até TV aberta aderindo a esses projetos.

O formato e as plataformas não são nenhuma novidade, mas tornaram-se uma febre nesse momento e é uma forma também, de se aproximar do público, monetizar suas performances, criar parcerias com marcas e ajudar o próximo.

Nessa nova realidade, esses shows online são uma saída para diversão e entram com o intuito ainda, de arrecadar fundos para instituições. Principalmente as de combate ao COVID-19.

O fenômeno é mundial, mas o público brasileiro surpreende!

É o de maior audiência, batendo recordes e superando uma live da rainha Beyoncé no Coachella de 2018.

Em uma live intimista, Marília Mendonça, atingiu a marca de 3,2 milhões de espectadores simultâneos.

Ocorreu ainda o One World: Together at Home, projeto internacional para alertar sobre os cuidados no combate contra a Covid-19, homenagear profissionais e arrecadar doações. Organizado pela Organização Mundial da Saúde e a Instituição Global Citizen, e curadoria de Lady Gaga.

O evento contou com a participação de celebridades e apresentações de cantores, com transmissão de 8h de duração pelo canal no Youtube, além da Globo, Multishow e Globoplay e teve 127,9 milhões de dólares arrecadados.

Isso mostra os quanto os públicos são fiéis aos seus artistas e estão dispostos a ouvir e ajudar.

A volta por cima da pandemia, com certeza, entrará para a história!

E no nosso Podcast, No Meio do Job, discutimos sobre esse movimento das LIVES com um especialista no assunto. O convidado da semana foi André Abootre, CEO da Atos 2 Consultoria.

Comentamos sobre o boom no mercado e o poder transformador na internet:

§  Como os artistas podem usufruir dessa experiência;

§  Como as marcas podem patrocinar;

§  Como estruturar uma Live;

§  Como oferecer conteúdos para seus públicos, unindo empresas, músicos e parceiros.

§  Como será o futuro desse formato.

Clique aqui e saiba como inserir seu negócio nesse modelo, que veio para ficar e já conquistou audiência de todas as idades! 


Ouça agora:
 https://anchor.fm/agenciahiro/episodes/Episdio-13---O-Movimento-das-Lives-ed64j3)

#VEMPRAHIRO